sexta-feira, 27 de maio de 2016


No comments

sábado, 21 de junho de 2014

Paulo Oliveira

jogo com o último classificado teve todos os componentes de uma viagem no comboio fantasma: uma entrada serena, sem pressagiar os horrores que se seguiriam, com rápida e dramática mudança de cenário. Até a saída do túnel escuro em que a equipa se enfiou acabou por ficar marcada com um susto final, ao melhor estilo de um comboio de horrores. Acabou por prevalecer a vontade e o esforço da equipa com melhores argumentos e que tudo fez para contrariar os problemas que criou para si mesma.
Nada parecia fazer prever que, depois de inauguração madrugadora do marcador, seguida de confirmação quase imediata, que a aquisição de mais três preciosos pontos iria ficar em dúvida. Mas não há jogos fáceis e os mais difíceis são aqueles que as equipas têm que jogar contra um adversário e contra os seus próprios erros. Não fora este o adversário, talvez dos mais inofensivos que vamos ter pela frente, e estaríamos agora a lamentar mais pontos perdidos em casa. O facto é que o perigo junto à nossa baliza nasceu quase sempre dos nossos próprios erros e não da qualidade técnica ou capacidade colectiva do adversário.
O jogo permite leituras para todos os gostos. A minha é que há um momento que apelidaria de "momento Slimani" em que, em apenas 5 minutos, intervenções do ponta-de-lança argelino introduzem alterações substanciais no jogo. O golo de cabeça aos 7 minutos parecia abrir as portas a uma noite tranquila, senão de goleada. Um passe atrasado disparatado, que nem sequer é novo nele, deixa Tobias em dificuldade provocando-lhe a expulsão. Na sequência do livre acaba por deixar passar a bola por baixo da barreira ao saltar. 
Sobre as culpas de Tobias, não vejo como pudesse fazer diferente sem sair chamuscado de igual forma. Se tivesse a frieza de pensar que mais valia sofrer um golo e não arriscar a expulsão - o que se me afigura difícil no decorrer de um jogo e naquele lance em particular - dir-se-ia que não fez nada para o evitar. Agora é natural que se invoque a falta de experiência, embora me pareça despropositado.
Aceito também a discussão sobre se Marco Silva deveria ou não ter colocado de imediato Ewerton. O que aconteceu no jogo permite essa leitura, atendendo a que o golo do empate sucede num momento em que William está a central. Convém não esquecer que Adrien deveria ter feito mais, uma vez que lhe havia sido confiado a função anteriormente atribuída àquele. O que ninguém pode afirmar é que, com ou sem Ewerton a central e William no seu lugar o golo não acontecesse na mesma, uma vez que este nasce de um corte deficiente de Paulo Oliveira, contra tudo o que os cânones estipulam. Teve tudo para se assemelhar a uma assistência. Não há táctica ou plano de jogo que se sobreponha a isto.
Mais importante de assinalar parece-me ser a vontade e aplicação da equipa ante as dificuldades consecutivas em que consegue contrariar resultados adversos aplicando-se denodadamente, em praticamente um jogo inteiro em inferioridade numérica, o que contraria a ideia de uma equipa mal preparada fisicamente. É contudo evidente que alguns jogadores importantes exibem um cansaço competitivo, traduzido em prestações sem chama, e falhas menos comuns que o seu valor deixaria prever. 
Do lado dos bons destaques nota de relevo para as assistências de Jefferson, especialmente para Slimani. Para a entrada de Carrillo e para os sinais de que o bom Nani está de volta. Não só pelo golo, em cabeçada exemplar, mas também para alguns pormenores de classe. Justiça para Patrício, que não pode ser apenas lembrado quando falha. Só foi chamado uma vez mas segurou os 3 pontos.

Em nota adicional ao post, que só não ficou originalmente por pressa no copy+paste, um comentário à arbitragem, especialmente para ao critério disciplinar. Nada a dizer na expulsão de Tobias, justíssima. Mas a forma como foi adiando os cartões aos jogadores de Penafiel e a forma expedita com os mostrou aos nossos jogadores é reveladora. Depois, já com o resultado a nosso favor, lá foi tratando de compensar de forma tosca e atabalhoada, acabando por expulsar indevidamente um jogador penafidelense.

Já com o jogo a caminho do seu final lá se encarregou de dar uma folga a William Carvalho, que assim não jogará na Madeira. Com o mesmo critério quantos jogadores do Penafiel teriam sido amarelados. Se arbitragem nacional se quer credibilizar tem que, entre outras coisas, começar a usar critérios mais uniformes e que, aqui e ali, não tresandem a formas de favorecimento de uns contra outros.
3 comments

domingo, 12 de maio de 2013

Jesus

jogo com o último classificado teve todos os componentes de uma viagem no comboio fantasma: uma entrada serena, sem pressagiar os horrores que se seguiriam, com rápida e dramática mudança de cenário. Até a saída do túnel escuro em que a equipa se enfiou acabou por ficar marcada com um susto final, ao melhor estilo de um comboio de horrores. Acabou por prevalecer a vontade e o esforço da equipa com melhores argumentos e que tudo fez para contrariar os problemas que criou para si mesma.
Nada parecia fazer prever que, depois de inauguração madrugadora do marcador, seguida de confirmação quase imediata, que a aquisição de mais três preciosos pontos iria ficar em dúvida. Mas não há jogos fáceis e os mais difíceis são aqueles que as equipas têm que jogar contra um adversário e contra os seus próprios erros. Não fora este o adversário, talvez dos mais inofensivos que vamos ter pela frente, e estaríamos agora a lamentar mais pontos perdidos em casa. O facto é que o perigo junto à nossa baliza nasceu quase sempre dos nossos próprios erros e não da qualidade técnica ou capacidade colectiva do adversário.
O jogo permite leituras para todos os gostos. A minha é que há um momento que apelidaria de "momento Slimani" em que, em apenas 5 minutos, intervenções do ponta-de-lança argelino introduzem alterações substanciais no jogo. O golo de cabeça aos 7 minutos parecia abrir as portas a uma noite tranquila, senão de goleada. Um passe atrasado disparatado, que nem sequer é novo nele, deixa Tobias em dificuldade provocando-lhe a expulsão. Na sequência do livre acaba por deixar passar a bola por baixo da barreira ao saltar. 
Sobre as culpas de Tobias, não vejo como pudesse fazer diferente sem sair chamuscado de igual forma. Se tivesse a frieza de pensar que mais valia sofrer um golo e não arriscar a expulsão - o que se me afigura difícil no decorrer de um jogo e naquele lance em particular - dir-se-ia que não fez nada para o evitar. Agora é natural que se invoque a falta de experiência, embora me pareça despropositado.
Aceito também a discussão sobre se Marco Silva deveria ou não ter colocado de imediato Ewerton. O que aconteceu no jogo permite essa leitura, atendendo a que o golo do empate sucede num momento em que William está a central. Convém não esquecer que Adrien deveria ter feito mais, uma vez que lhe havia sido confiado a função anteriormente atribuída àquele. O que ninguém pode afirmar é que, com ou sem Ewerton a central e William no seu lugar o golo não acontecesse na mesma, uma vez que este nasce de um corte deficiente de Paulo Oliveira, contra tudo o que os cânones estipulam. Teve tudo para se assemelhar a uma assistência. Não há táctica ou plano de jogo que se sobreponha a isto.
Mais importante de assinalar parece-me ser a vontade e aplicação da equipa ante as dificuldades consecutivas em que consegue contrariar resultados adversos aplicando-se denodadamente, em praticamente um jogo inteiro em inferioridade numérica, o que contraria a ideia de uma equipa mal preparada fisicamente. É contudo evidente que alguns jogadores importantes exibem um cansaço competitivo, traduzido em prestações sem chama, e falhas menos comuns que o seu valor deixaria prever. 
Do lado dos bons destaques nota de relevo para as assistências de Jefferson, especialmente para Slimani. Para a entrada de Carrillo e para os sinais de que o bom Nani está de volta. Não só pelo golo, em cabeçada exemplar, mas também para alguns pormenores de classe. Justiça para Patrício, que não pode ser apenas lembrado quando falha. Só foi chamado uma vez mas segurou os 3 pontos.

Em nota adicional ao post, que só não ficou originalmente por pressa no copy+paste, um comentário à arbitragem, especialmente para ao critério disciplinar. Nada a dizer na expulsão de Tobias, justíssima. Mas a forma como foi adiando os cartões aos jogadores de Penafiel e a forma expedita com os mostrou aos nossos jogadores é reveladora. Depois, já com o resultado a nosso favor, lá foi tratando de compensar de forma tosca e atabalhoada, acabando por expulsar indevidamente um jogador penafidelense.

Já com o jogo a caminho do seu final lá se encarregou de dar uma folga a William Carvalho, que assim não jogará na Madeira. Com o mesmo critério quantos jogadores do Penafiel teriam sido amarelados. Se arbitragem nacional se quer credibilizar tem que, entre outras coisas, começar a usar critérios mais uniformes e que, aqui e ali, não tresandem a formas de favorecimento de uns contra outros.
2 comments

terça-feira, 2 de abril de 2013

cabeçalho do blogue

jogo com o último classificado teve todos os componentes de uma viagem no comboio fantasma: uma entrada serena, sem pressagiar os horrores que se seguiriam, com rápida e dramática mudança de cenário. Até a saída do túnel escuro em que a equipa se enfiou acabou por ficar marcada com um susto final, ao melhor estilo de um comboio de horrores. Acabou por prevalecer a vontade e o esforço da equipa com melhores argumentos e que tudo fez para contrariar os problemas que criou para si mesma.
Nada parecia fazer prever que, depois de inauguração madrugadora do marcador, seguida de confirmação quase imediata, que a aquisição de mais três preciosos pontos iria ficar em dúvida. Mas não há jogos fáceis e os mais difíceis são aqueles que as equipas têm que jogar contra um adversário e contra os seus próprios erros. Não fora este o adversário, talvez dos mais inofensivos que vamos ter pela frente, e estaríamos agora a lamentar mais pontos perdidos em casa. O facto é que o perigo junto à nossa baliza nasceu quase sempre dos nossos próprios erros e não da qualidade técnica ou capacidade colectiva do adversário.
O jogo permite leituras para todos os gostos. A minha é que há um momento que apelidaria de "momento Slimani" em que, em apenas 5 minutos, intervenções do ponta-de-lança argelino introduzem alterações substanciais no jogo. O golo de cabeça aos 7 minutos parecia abrir as portas a uma noite tranquila, senão de goleada. Um passe atrasado disparatado, que nem sequer é novo nele, deixa Tobias em dificuldade provocando-lhe a expulsão. Na sequência do livre acaba por deixar passar a bola por baixo da barreira ao saltar. 
Sobre as culpas de Tobias, não vejo como pudesse fazer diferente sem sair chamuscado de igual forma. Se tivesse a frieza de pensar que mais valia sofrer um golo e não arriscar a expulsão - o que se me afigura difícil no decorrer de um jogo e naquele lance em particular - dir-se-ia que não fez nada para o evitar. Agora é natural que se invoque a falta de experiência, embora me pareça despropositado.
Aceito também a discussão sobre se Marco Silva deveria ou não ter colocado de imediato Ewerton. O que aconteceu no jogo permite essa leitura, atendendo a que o golo do empate sucede num momento em que William está a central. Convém não esquecer que Adrien deveria ter feito mais, uma vez que lhe havia sido confiado a função anteriormente atribuída àquele. O que ninguém pode afirmar é que, com ou sem Ewerton a central e William no seu lugar o golo não acontecesse na mesma, uma vez que este nasce de um corte deficiente de Paulo Oliveira, contra tudo o que os cânones estipulam. Teve tudo para se assemelhar a uma assistência. Não há táctica ou plano de jogo que se sobreponha a isto.
Mais importante de assinalar parece-me ser a vontade e aplicação da equipa ante as dificuldades consecutivas em que consegue contrariar resultados adversos aplicando-se denodadamente, em praticamente um jogo inteiro em inferioridade numérica, o que contraria a ideia de uma equipa mal preparada fisicamente. É contudo evidente que alguns jogadores importantes exibem um cansaço competitivo, traduzido em prestações sem chama, e falhas menos comuns que o seu valor deixaria prever. 
Do lado dos bons destaques nota de relevo para as assistências de Jefferson, especialmente para Slimani. Para a entrada de Carrillo e para os sinais de que o bom Nani está de volta. Não só pelo golo, em cabeçada exemplar, mas também para alguns pormenores de classe. Justiça para Patrício, que não pode ser apenas lembrado quando falha. Só foi chamado uma vez mas segurou os 3 pontos.

Em nota adicional ao post, que só não ficou originalmente por pressa no copy+paste, um comentário à arbitragem, especialmente para ao critério disciplinar. Nada a dizer na expulsão de Tobias, justíssima. Mas a forma como foi adiando os cartões aos jogadores de Penafiel e a forma expedita com os mostrou aos nossos jogadores é reveladora. Depois, já com o resultado a nosso favor, lá foi tratando de compensar de forma tosca e atabalhoada, acabando por expulsar indevidamente um jogador penafidelense.

Já com o jogo a caminho do seu final lá se encarregou de dar uma folga a William Carvalho, que assim não jogará na Madeira. Com o mesmo critério quantos jogadores do Penafiel teriam sido amarelados. Se arbitragem nacional se quer credibilizar tem que, entre outras coisas, começar a usar critérios mais uniformes e que, aqui e ali, não tresandem a formas de favorecimento de uns contra outros.
No comments

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

titulo

Nada parecia fazer prever que, depois de inauguração madrugadora do marcador, seguida de confirmação quase imediata, que a aquisição de mais três preciosos pontos iria ficar em dúvida. Mas não há jogos fáceis e os mais difíceis são aqueles que as equipas têm que jogar contra um adversário e contra os seus próprios erros. Não fora este o adversário, talvez dos mais inofensivos que vamos ter pela frente, e estaríamos agora a lamentar mais pontos perdidos em casa. O facto é que o perigo junto à nossa baliza nasceu quase sempre dos nossos próprios erros e não da qualidade técnica ou capacidade colectiva do adversário.
O jogo permite leituras para todos os gostos. A minha é que há um momento que apelidaria de "momento Slimani" em que, em apenas 5 minutos, intervenções do ponta-de-lança argelino introduzem alterações substanciais no jogo. O golo de cabeça aos 7 minutos parecia abrir as portas a uma noite tranquila, senão de goleada. Um passe atrasado disparatado, que nem sequer é novo nele, deixa Tobias em dificuldade provocando-lhe a expulsão. Na sequência do livre acaba por deixar passar a bola por baixo da barreira ao saltar. 
Sobre as culpas de Tobias, não vejo como pudesse fazer diferente sem sair chamuscado de igual forma. Se tivesse a frieza de pensar que mais valia sofrer um golo e não arriscar a expulsão - o que se me afigura difícil no decorrer de um jogo e naquele lance em particular - dir-se-ia que não fez nada para o evitar. Agora é natural que se invoque a falta de experiência, embora me pareça despropositado.
Aceito também a discussão sobre se Marco Silva deveria ou não ter colocado de imediato Ewerton. O que aconteceu no jogo permite essa leitura, atendendo a que o golo do empate sucede num momento em que William está a central. Convém não esquecer que Adrien deveria ter feito mais, uma vez que lhe havia sido confiado a função anteriormente atribuída àquele. O que ninguém pode afirmar é que, com ou sem Ewerton a central e William no seu lugar o golo não acontecesse na mesma, uma vez que este nasce de um corte deficiente de Paulo Oliveira, contra tudo o que os cânones estipulam. Teve tudo para se assemelhar a uma assistência. Não há táctica ou plano de jogo que se sobreponha a isto.
Mais importante de assinalar parece-me ser a vontade e aplicação da equipa ante as dificuldades consecutivas em que consegue contrariar resultados adversos aplicando-se denodadamente, em praticamente um jogo inteiro em inferioridade numérica, o que contraria a ideia de uma equipa mal preparada fisicamente. É contudo evidente que alguns jogadores importantes exibem um cansaço competitivo, traduzido em prestações sem chama, e falhas menos comuns que o seu valor deixaria prever. 
Do lado dos bons destaques nota de relevo para as assistências de Jefferson, especialmente para Slimani. Para a entrada de Carrillo e para os sinais de que o bom Nani está de volta. Não só pelo golo, em cabeçada exemplar, mas também para alguns pormenores de classe. Justiça para Patrício, que não pode ser apenas lembrado quando falha. Só foi chamado uma vez mas segurou os 3 pontos.

Em nota adicional ao post, que só não ficou originalmente por pressa no copy+paste, um comentário à arbitragem, especialmente para ao critério disciplinar. Nada a dizer na expulsão de Tobias, justíssima. Mas a forma como foi adiando os cartões aos jogadores de Penafiel e a forma expedita com os mostrou aos nossos jogadores é reveladora. Depois, já com o resultado a nosso favor, lá foi tratando de compensar de forma tosca e atabalhoada, acabando por expulsar indevidamente um jogador penafidelense.

Já com o jogo a caminho do seu final lá se encarregou de dar uma folga a William Carvalho, que assim não jogará na Madeira. Com o mesmo critério quantos jogadores do Penafiel teriam sido amarelados. Se arbitragem nacional se quer credibilizar tem que, entre outras coisas, começar a usar critérios mais uniformes e que, aqui e ali, não tresandem a formas de favorecimento de uns contra outros.

No comments

terça-feira, 28 de agosto de 2012

jogo com o último classificado teve todos os componentes de uma viagem no comboio fantasma: uma entrada serena, sem pressagiar os horrores que se seguiriam, com rápida e dramática mudança de cenário. Até a saída do túnel escuro em que a equipa se enfiou acabou por ficar marcada com um susto final, ao melhor estilo de um comboio de horrores. Acabou por prevalecer a vontade e o esforço da equipa com melhores argumentos e que tudo fez para contrariar os problemas que criou para si mesma.
Nada parecia fazer prever que, depois de inauguração madrugadora do marcador, seguida de confirmação quase imediata, que a aquisição de mais três preciosos pontos iria ficar em dúvida. Mas não há jogos fáceis e os mais difíceis são aqueles que as equipas têm que jogar contra um adversário e contra os seus próprios erros. Não fora este o adversário, talvez dos mais inofensivos que vamos ter pela frente, e estaríamos agora a lamentar mais pontos perdidos em casa. O facto é que o perigo junto à nossa baliza nasceu quase sempre dos nossos próprios erros e não da qualidade técnica ou capacidade colectiva do adversário.
O jogo permite leituras para todos os gostos. A minha é que há um momento que apelidaria de "momento Slimani" em que, em apenas 5 minutos, intervenções do ponta-de-lança argelino introduzem alterações substanciais no jogo. O golo de cabeça aos 7 minutos parecia abrir as portas a uma noite tranquila, senão de goleada. Um passe atrasado disparatado, que nem sequer é novo nele, deixa Tobias em dificuldade provocando-lhe a expulsão. Na sequência do livre acaba por deixar passar a bola por baixo da barreira ao saltar. 
Sobre as culpas de Tobias, não vejo como pudesse fazer diferente sem sair chamuscado de igual forma. Se tivesse a frieza de pensar que mais valia sofrer um golo e não arriscar a expulsão - o que se me afigura difícil no decorrer de um jogo e naquele lance em particular - dir-se-ia que não fez nada para o evitar. Agora é natural que se invoque a falta de experiência, embora me pareça despropositado.
Aceito também a discussão sobre se Marco Silva deveria ou não ter colocado de imediato Ewerton. O que aconteceu no jogo permite essa leitura, atendendo a que o golo do empate sucede num momento em que William está a central. Convém não esquecer que Adrien deveria ter feito mais, uma vez que lhe havia sido confiado a função anteriormente atribuída àquele. O que ninguém pode afirmar é que, com ou sem Ewerton a central e William no seu lugar o golo não acontecesse na mesma, uma vez que este nasce de um corte deficiente de Paulo Oliveira, contra tudo o que os cânones estipulam. Teve tudo para se assemelhar a uma assistência. Não há táctica ou plano de jogo que se sobreponha a isto.
Mais importante de assinalar parece-me ser a vontade e aplicação da equipa ante as dificuldades consecutivas em que consegue contrariar resultados adversos aplicando-se denodadamente, em praticamente um jogo inteiro em inferioridade numérica, o que contraria a ideia de uma equipa mal preparada fisicamente. É contudo evidente que alguns jogadores importantes exibem um cansaço competitivo, traduzido em prestações sem chama, e falhas menos comuns que o seu valor deixaria prever. 
Do lado dos bons destaques nota de relevo para as assistências de Jefferson, especialmente para Slimani. Para a entrada de Carrillo e para os sinais de que o bom Nani está de volta. Não só pelo golo, em cabeçada exemplar, mas também para alguns pormenores de classe. Justiça para Patrício, que não pode ser apenas lembrado quando falha. Só foi chamado uma vez mas segurou os 3 pontos.

Em nota adicional ao post, que só não ficou originalmente por pressa no copy+paste, um comentário à arbitragem, especialmente para ao critério disciplinar. Nada a dizer na expulsão de Tobias, justíssima. Mas a forma como foi adiando os cartões aos jogadores de Penafiel e a forma expedita com os mostrou aos nossos jogadores é reveladora. Depois, já com o resultado a nosso favor, lá foi tratando de compensar de forma tosca e atabalhoada, acabando por expulsar indevidamente um jogador penafidelense.

Já com o jogo a caminho do seu final lá se encarregou de dar uma folga a William Carvalho, que assim não jogará na Madeira. Com o mesmo critério quantos jogadores do Penafiel teriam sido amarelados. Se arbitragem nacional se quer credibilizar tem que, entre outras coisas, começar a usar critérios mais uniformes e que, aqui e ali, não tresandem a formas de favorecimento de uns contra outros.
No comments

segunda-feira, 11 de julho de 2011

João Benedito 1995

jogo com o último classificado teve todos os componentes de uma viagem no comboio fantasma: uma entrada serena, sem pressagiar os horrores que se seguiriam, com rápida e dramática mudança de cenário. Até a saída do túnel escuro em que a equipa se enfiou acabou por ficar marcada com um susto final, ao melhor estilo de um comboio de horrores. Acabou por prevalecer a vontade e o esforço da equipa com melhores argumentos e que tudo fez para contrariar os problemas que criou para si mesma.
Nada parecia fazer prever que, depois de inauguração madrugadora do marcador, seguida de confirmação quase imediata, que a aquisição de mais três preciosos pontos iria ficar em dúvida. Mas não há jogos fáceis e os mais difíceis são aqueles que as equipas têm que jogar contra um adversário e contra os seus próprios erros. Não fora este o adversário, talvez dos mais inofensivos que vamos ter pela frente, e estaríamos agora a lamentar mais pontos perdidos em casa. O facto é que o perigo junto à nossa baliza nasceu quase sempre dos nossos próprios erros e não da qualidade técnica ou capacidade colectiva do adversário.
O jogo permite leituras para todos os gostos. A minha é que há um momento que apelidaria de "momento Slimani" em que, em apenas 5 minutos, intervenções do ponta-de-lança argelino introduzem alterações substanciais no jogo. O golo de cabeça aos 7 minutos parecia abrir as portas a uma noite tranquila, senão de goleada. Um passe atrasado disparatado, que nem sequer é novo nele, deixa Tobias em dificuldade provocando-lhe a expulsão. Na sequência do livre acaba por deixar passar a bola por baixo da barreira ao saltar. 
Sobre as culpas de Tobias, não vejo como pudesse fazer diferente sem sair chamuscado de igual forma. Se tivesse a frieza de pensar que mais valia sofrer um golo e não arriscar a expulsão - o que se me afigura difícil no decorrer de um jogo e naquele lance em particular - dir-se-ia que não fez nada para o evitar. Agora é natural que se invoque a falta de experiência, embora me pareça despropositado.
Aceito também a discussão sobre se Marco Silva deveria ou não ter colocado de imediato Ewerton. O que aconteceu no jogo permite essa leitura, atendendo a que o golo do empate sucede num momento em que William está a central. Convém não esquecer que Adrien deveria ter feito mais, uma vez que lhe havia sido confiado a função anteriormente atribuída àquele. O que ninguém pode afirmar é que, com ou sem Ewerton a central e William no seu lugar o golo não acontecesse na mesma, uma vez que este nasce de um corte deficiente de Paulo Oliveira, contra tudo o que os cânones estipulam. Teve tudo para se assemelhar a uma assistência. Não há táctica ou plano de jogo que se sobreponha a isto.
Mais importante de assinalar parece-me ser a vontade e aplicação da equipa ante as dificuldades consecutivas em que consegue contrariar resultados adversos aplicando-se denodadamente, em praticamente um jogo inteiro em inferioridade numérica, o que contraria a ideia de uma equipa mal preparada fisicamente. É contudo evidente que alguns jogadores importantes exibem um cansaço competitivo, traduzido em prestações sem chama, e falhas menos comuns que o seu valor deixaria prever. 
Do lado dos bons destaques nota de relevo para as assistências de Jefferson, especialmente para Slimani. Para a entrada de Carrillo e para os sinais de que o bom Nani está de volta. Não só pelo golo, em cabeçada exemplar, mas também para alguns pormenores de classe. Justiça para Patrício, que não pode ser apenas lembrado quando falha. Só foi chamado uma vez mas segurou os 3 pontos.

Em nota adicional ao post, que só não ficou originalmente por pressa no copy+paste, um comentário à arbitragem, especialmente para ao critério disciplinar. Nada a dizer na expulsão de Tobias, justíssima. Mas a forma como foi adiando os cartões aos jogadores de Penafiel e a forma expedita com os mostrou aos nossos jogadores é reveladora. Depois, já com o resultado a nosso favor, lá foi tratando de compensar de forma tosca e atabalhoada, acabando por expulsar indevidamente um jogador penafidelense.

Já com o jogo a caminho do seu final lá se encarregou de dar uma folga a William Carvalho, que assim não jogará na Madeira. Com o mesmo critério quantos jogadores do Penafiel teriam sido amarelados. Se arbitragem nacional se quer credibilizar tem que, entre outras coisas, começar a usar critérios mais uniformes e que, aqui e ali, não tresandem a formas de favorecimento de uns contra outros.
2 comments

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Academia Sporting, quanto vale?

Ciente das suas limitações financeiras o Sporting fez há alguns anos atrás uma aposta de risco, investir tudo na formação de jogadores de futebol. Desde sempre que o Sporting nos habituou a ter nos seus quadros jovens atletas de invulgar qualidade, os nomes saltam rapidamente à memória, Futre, Litos, Figo, Peixe, etc., povoaram o rectângulo mágico de Alvalade.

As estrelas nascidas da nossa formação nunca deixaram grandes troféus no nosso museu mas de alguns anos a esta parte têm vindo a rechear os nossos cofres, desde a venda do “Mini Milk” para Barcelona que o Sporting tem conseguido encaixar verbas interessantes (financeiramente fundamentais) com a venda dos direitos desportivos dos seus atletas.

A grande vantagem da aposta na formação na minha opinião não são essas mais valias, mas aquilo que o clube consegue poupar em aquisições por aproveitamento das suas camadas jovens. Numa análise fria sei que se tivermos a sorte (ou o engenho) de criar outro Figo, Ronaldo, Nani, etc., pouco tempo vamos conseguir desfrutar da sua arte. A sua qualidade é tal que depressa irá aparecer algum clube que não discute cada cêntimo gasto em ordenados e o leva para seu usufruto, ficando nós com o encargo de descobrir nova pérola.
Vendo a composição do plantel do Sporting exposta no site oficial do clube temos os seguintes jogadores da nossa cantera à disposição da equipa principal, a saber, Rui Patrício, Daniel Carriço, Ronny, Ibrahim, Adrien Silva, Miguel Veloso, João Moutinho, Cedric, Pereirinha, Yannick D’jálo, Renato Neto e Diogo Amado, 12 jogadores.

Claro que há nomes que apenas aqui estão por questões regulamentares, mas também há outros que já são estrelas (e ainda outros estrelinhas…), também estão em falta outros como os dois que recentemente mereceram chamada à equipa principal, André Marques e Carlos Saleiro.

De forma a ser possível ilustrar a minha opinião, atribuo um valor hipotético de dois milhões e meio (€ 2.500.000,00) a cada atleta, admitindo que este seria o valor médio que o Sporting teria de despender para refazer o seu plantel sem a sua cantera. Uns valeram mais, outros menos, mas grosso modo a Academia Sporting contribui com € 30.000.000,00 para o equilíbrio do plantel do Sporting, espero que este investimento continue e mesmo se fortaleça, os excelentes post’s que o Hugo Malcato tem feito deixam-me descansado e confiante no futuro.

Esta é para mim a importância e o valor que a Academia Sporting tem no Universo Sporting.
3 comments

sábado, 3 de janeiro de 2009

Luis Filipe Vieira confia em Vitor Pereira como confiou em Luis Guilherme

"Nunca vi um árbitro dar tantas entrevistas para justificar uma decisão, quase diria que se tentou convencer a ele próprio de que tinha razão.Para mim, tudo aquilo que se passou no jogo e depois dele foi uma surpresa desagradável em face da opinião que tinha de Pedro Henriques. No entanto, espero que aquilo que sucedeu no jogo com o Nacional tenha sido um acidente de percurso. Quero manter a minha confiança na Comissão de Arbitragem presidida por Vítor Pereira."
No comments

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Octávio e Joaquim Oliveira

"Conheci o Joaquim Oliveira no FC Porto, apenas como irmão do jogador António Oliveira. Nessa altura, era um adepto como outro qualquer, sem influência nenhuma, não contava nem para o totobola. (...) Aos poucos, começou a crescer, primeiro no Sporting, quando o poder do futebol estava em Lisboa, depois no FC Porto, quando esse mesmo poder se transferiu para o Norte do País. (...) Começou a ser presença assídua nas viagens do FC Porto, estratégia natural para quem pretendia alargar a sua malha de influências. Com o Artur Jorge como treinador, tornou-se habitual a presença tanto do Joaquim como do António Oliveira junto da comitiva do Porto, principalmente nos jogos internacionais. Os laços entre o presidente e o empresário estreitaram-se numa altura em que o clube estava a viver uma crise financeira. O Joaquim Oliveira ofereceu-se então para resolver os problemas de gestão do FC Porto. De empresário de jogadores passou a negociar contratos de publicidade e das transmissões televisivas. (...) O Joaquim Oliveira é uma pessoa poderosíssima, com muita influência nos destinos do futebol português. E se a partir de certa altura começou a ser frequência assídua nos corredores do estádio das Antas, nem sempre foi assim. Quando o poder estava no Sul, o Joaquim Oliveira batia palmas e bebia champagne no Procópio sempre que o FC Porto perdia. Não é verdade, senhor Pinto da Costa? Tanto assim era que num Covilhã-FC Porto, o Joaquim Oliveira foi obrigado a refugiar-se num café para se proteger da ira dos adeptos portistas. Como o mundo dá muitas voltas, o Joaquim Oliveira receberia mais tarde o Dragão de Ouro. No início, o Pinto da Costa considerava-o o inimigo número um do FC Porto. Depois, quando precisou de dinheiro, abriu a porta ao adversário, levou-o para dentro da própria casa.

(...) Há que reconhecer, porém, os atributos negociais do Joaquim Oliveira. Numa indústria na bancarrota, como é o futebol, onde todas as empresas e clubes estão falidos ou à beira da falência, e perante uma televisão pública que chegou a apresentar mais de 140 milhões de contos de prejuízo, a verdade é que o Joaquim Oliveira conseguiu construir uma fortuna incalculável. Até parece que quanto mais dificuldades financeiras tiverem os clubes, mais o Joaquim Oliveira aumenta o seu poder e a sua riqueza. Quem souber como e porquê, que explique. Eu limito-me, aqui, a prestar-lhe a minha mais humilde homenagem..."

Pode ler mais aqui.
No comments